Fernando Távora – As Raízes e os Frutos. palavra desenho obra 1937- 2001

Caminhos da arquitetura. Arquitetura e circunstância (Volume. I)

Fernando Távora . As Raízes e os Frutos . palavra desenho obra aborda o mundo de Fernando Távora, na rede das suas várias dimensões. A obra é una nas oito unidades que a integram: quatro volumes, dividindo-se os três primeiros em dois tomos cada; dividindo-se o tomo I do volume 1 em dois fascículos; o quarto, um volume simples.

Detalhes do livro:

Título: Fernando Távora – As Raízes e os Frutos. palavra desenho obra 1937- 2001
Autor: Fernando Távora, Manuel Mendes (Editor)
Preço: 70€ 60€
Ano: janeiro, 2021
Edição: 1.ª
Editora: Fundação Instituto Arquitecto José Marques da Silva, U.Porto Press
ISBN-13: 978-989-99852-5-4
Dimensões: 190mm x 60mm x 230mm
Número de páginas: 737
Peso: 2300g
Língua: Português
Tipo de Capa: Mole
Categoria: ,

Descrição

Fernando Távora . As Raízes e os Frutos . palavra desenho obra aborda o mundo de Fernando Távora, na rede das suas várias dimensões. A obra é una nas oito unidades que a integram: quatro volumes, dividindo-se os três primeiros em dois tomos cada; dividindo-se o tomo I do volume 1 em dois fascículos; o quarto, um volume simples.
O volume 1 considera as múltiplas iniciativas e estudos que, em tempo de identificação da vocação mais do que da procura duma originalidade, o jovem Távora empreende na ânsia de respostas à pergunta Porquê uma arquitectura diferente? A nova arquitectura não se formará em duas ou três gerações, como supõem os que supõem ter criado um estilo português. Chegar ao homem que não é máquina de calcular nem existência sem controle.
“Arre, estou farto de semi-deuses”,
 escancara Távora no rosto de livro de Le Corbusier. É à bolina desse grito de Campos-Távora que o volume 2 expõe sobre o tempo da fuga da abstracção – Já é tempo de Portugal reencontrar a sua arquitectura; sobre a certeza resolvida – viver completamente, com arte, com saber, é produzir uma obra de arquitecturaA modernidade de um acontecimento mede-se pela relação que ele mantém com as condições dentro das quais se realiza. Sendo diferentes as condições serão diversas as soluções – mas deve ser comum a natureza das relações. modernidade constante da harmonia do espaço contemporâneo, dimensão operativa da tradição.
O volume 3 versa sobre a continuidade de uma causa e de uma escola que Távora fez por renovar numa estreita relação entre ofício e pedagogia. A arquitectura materializa-se no dia a dia pela liberdade futurante do ofício: a unidade em cada momento – a diversidade ao longo de uma vida –  posso estar paralelamente a projectar uma choupana e um palácio, com expressões arquitectónicas e fundamentos económicos, sociais e políticos completamente opostos e ser sincero em tudo… ou fingido em tudo, o que é sempre a mesma coisa… O pensamento de Távora em termos de arquitectura, e o como foi realizado é o tópico.
A realização na arquitectura sempre puxou Távora para a lição que se aprende pelo estudo da herança construída. O volume 4 arrisca uma projecção de As raízes e os Frutos. Num pressuposto que a afirmação Eu sou a arquitectura portuguesa enuncia a singularidade da acção de Távora face a dogmas do seu tempo, que edição-livro, para aflorar energia narrativa sobre a singularidade dessa viagem na esteia da modernidade?