Universidades portuguesas recuperam Comissão Especializada de Cultura

O alargamento do Plano Nacional das Artes ao Ensino Superior foi outra das conclusões do 1º Encontro Nacional Universidade e Cultura, organizado pela U.Porto.

O Reitor da Universidade do Porto e Presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP) anunciou, esta sexta-feira, a reconstituição da Comissão Especializada de Cultura. O anuncio foi feito durante o primeiro Encontro Nacional Universidade e Cultura, organizado pela U.Porto, em parceria com o Plano Nacional das Artes.

Para António de Sousa Pereira, às universidades é exigida a abertura à sociedade e o exercício de uma democratização do saber, âmbitos nos quais a cultura desempenha um papel fundamental.

“A cultura não pode estar à margem do ensino superior sob pena de comprometer não só crescimento intelectual e cívico dos estudantes universitários como também a sua própria preparação técnico-científica”, alertou António de Sousa Preira, acrescentando que é necessário que as universidades colaborem mais e de forma “mais consequente em iniciativas culturais”.

Ao colaborar com instituições culturais, ao promover uma agenda cultural regular e ao disponibilizar o seu espaço para desenvolver colaborações, a universidade está a promover o acesso à cultura e a afirmar as cidades num contexto nacional e internacional. No sentido da promoção de “um caminho partilhado e, por isso, mais eficaz”, o presidente do CRUP defendeu uma “efetiva cooperação entre universidades”, com a dinamização desta Comissão especializada para a área da cultura.

Alargamento do Plano Nacional das Artes…

Esta primeira edição do Encontro Nacional Universidade e Cultura contou ainda com as intervenções da Ministra da Cultura, do Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, do Comissário do Plano Nacional das Artes e de representantes de Instituições de Ensino Superior (IES) nacionais e internacionais.

Na sua intervenção, a ministra da Cultura assumiu o compromisso de alargar o Plano Nacional das Artes (PNA) ao ensino superior, garantindo que a cultura é uma presença permanente em todas as fases da educação dos alunos.

“O PNA está a transformar o ensino da componente cultural e artística nas escolas e, por isso, dando o natural seguimento a este projeto e como prova do trabalho de excelência que tem sido desenvolvido, o nosso compromisso é, agora, alargar o PNA ao ensino superior, garantindo que a cultura é uma presença permanente e ativa em todas as fases da educação e da formação dos nossos alunos”, acrescentou Graça Fonseca.

Destacando a cultura como um fator de desenvolvimento humano, social e educativo, a governante salientou que o objetivo último das políticas culturais é “aproximar territórios, condições sociais e níveis de fruição cultural”, no qual o PNA desempenha um papel importante ao tornar a arte mais acessível aos cidadãos, numa lógica de inclusão.

Para Graça Fonseca, “cultura e a educação como um todo têm de estar juntas”, pelo que “é fundamental promover uma maior aproximação da Universidade à cultura e às artes através da implantação de planos de ação cultural alicerçados em estratégias de programação cultural”.

… e Cultura no centro da presidência portuguesa da UE

Com foco na Presidência Portuguesa na União Europeia, já no primeiro semestre de 2021, o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior apelou por sua vez à articulação entre a cultura e o ensino superior “no quadro daquilo que já são as várias redes de universidades europeias aonde as universidades portuguesas estão inseridas”, no sentido de se criar um programa que estimule “efetivamente” a articulação entre a cultura e o ensino superior.

Manuel Heitor considera “particularmente oportuno, a nível europeu, pegarmos também na Presidência Portuguesa para abrir essa dimensão das redes de universidades europeias”

. “A Universidade do Porto está inserida numa rede europeia e, naturalmente, lembrando Eduardo Lourenço, acho que esta dimensão ganha muito mais se tiver não apenas uma articulação a nível nacional, mas se for cada vez mais a nível europeu, usando as redes de universidades europeias para a dinamizar”, defendeu o governante.

O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior adiantou que a ideia foi já articulada com a Comissária Europeia para a Inovação, Investigação, Cultura, Educação e Juventude, Mariya Gabriel.

Debate a várias vozes

Pelo I Encontro Universidade e Cultura “passaram” também representantes das várias instituições de ensino superior representadas no CRUP, que destacaram exemplos de boas práticas e projetos realizados na área cultural.

A sessão contou ainda com a participação de representantes de universidades internacionais, nomeadamente, Emmanuel Ethis, Reitor da Academia de Rennes, que presidiu à comissão francesa “Cultura e Universidade”, (2010) e Fernando Mencarelli, Diretor de Ação Cultural da Universidade Federal de Minas Gerais, que partilharam políticas e estratégias culturais desenvolvidas pelos governos e instituições de Ensino Superior dos respetivos países.

O próximo encontro “Universidade e Cultura” deverá realizar-se em junho do próximo ano, no Porto, coincidindo com a Presidência Portuguesa da EU.

Recorde, na íntegra, o I Encontro Universidade e Cultura: Parte 1 | Parte 2 | Parte 3

Fonte: Notícias U.Porto

X